Livre-arbítrio: Qual o Significado e o Que a Bíblia Diz a Respeito

Já parou para pensar se você realmente é livre, está no comando da própria vida e pode fazer todas as escolhas que bem entender? Pois bem, essas questões envolvem diretamente o livre-arbítrio, que é discutido constantemente pelas pessoas que seguem ou não alguma religião.

Muito se fala do assunto e, mesmo com as discussões, ainda surgem novas dúvidas. Será que somos absolutamente livres?

Convidamos você a ler este conteúdo para entender mais sobre o significado do livre-arbítrio e o que a Bíblia diz a respeito do assunto. Esperamos que você faça uma boa leitura.

O significado do livre-arbítrio

O livre-arbítrio pode ser considerado como o poder de decisão sobre as ações que uma pessoa tem, desconsiderando qualquer fator que influencie essas decisões.

A palavra arbítrio carrega o significado de “decisão”, “julgamento”, “domínio”. Isso transmite a sensação de vontade própria, independente e absoluta. Ou seja, podemos interpretar o livre-arbítrio como um modo de estabelecer suas vontades de maneira livre e sem julgamentos.

O que a Bíblia diz sobre o livre-arbítrio

Ao longo dos livros da Bíblia, dá para notar que o homem está envolvido constantemente em situações que precisam de uma atitude. No entanto, a palavra livre-arbítrio não é mencionada ao longo do texto, mas é um conceito visto apenas de maneira implícita quando Deus permite que o ser humano faça as próprias escolhas.
As Escrituras sagradas estão sempre dando escolhas para o ser humano,
Se me amardes…
Se me buscardes de todo coração
Se ouvir a Palavra…e muitos outros
Existem dezenas e talvez centenas de versículos dando ao homem escolhas para decidir entre bem e mal.
Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, a morte e o mal; Deuteronômio 30:15.

Podemos notar que Deus direciona o ser humano a viver fazendo coisas boas, mas não os obriga a seguir a vida dessa maneira. Ainda assim, o homem será julgado de acordo com a forma que usa o livre-arbítrio para reger suas ações e responderá por todo tipo de ato praticado.

Existe a ideia de que Deus escolhe pessoas para seguirem um destino predeterminado, mas mesmo assim elas podem se desviar do caminho — seja ele bom ou ruim — e tomar decisões diferentes sobre a própria vida, partindo do pressuposto da aceitação.

Essa é uma compreensão de uma pequena parcela de religiosos que não faz muito sentido, pois se Deus escolhe pessoas para um determinado destino, então acabou o livre arbítrio da pessoa escolhida, e Deus passa ser o responsável.
Jesus teve escolhas e quando Ele é tentado pela oferta do Diabo, ele recusa todas as riquezas do mundo, porque desde o seu nascimento Ele se preparou para ser o Messias.

O livre arbítrio é algo sagrado que nem os anjos possuem, pois só o ser humano tem esse privilégio e a responsabilidade de escolher entre o bem e o mal. A escolha é livre e Deus sabe dos próximos passos que serão dados porque Deus é Onisciente e Onipresente.

Você vai gostar: A Natureza Compassiva de Deus

O livre-arbítrio e a filosofia

A filosofia tem uma linha de pensamento chamada de determinismo, em que há o fator causal e circunstancial para que os acontecimentos ocorram. Assim sendo, o ser humano é isento das responsabilidades do que ocorre em sua vida, sendo algo regido totalmente por causas aleatórias.

Sim, essa vertente filosófica tem pensamentos totalmente contrários ao livre-arbítrio. Muitos filósofos consideram que o livre-arbítrio não existe no sentido literal da palavra e discorrem sobre o assunto.

É válido destacar que o ser humano sofre diversas influências ao longo da sua existência e todas são atraentes ao indivíduo, seja em maior ou menor grau. Dessa forma, a filosofia acredita que o livre-arbítrio só possa ser posto em prática quando não há interferências em hipótese alguma.

Por outro lado, existem circunstâncias em que o ser humano não tem controle sobre as coisas e que não há escolha. Imagine: se você tem sede, é inevitável beber água. Esse é um ponto onde o ser humano está privado da liberdade de escolha, biologicamente falando.

O livre-arbítrio e a ciência

De maneira resumida, a ciência entende que o significado do livre-arbítrio é o mesmo que aquele descrito aqui no tópico anterior, mas determina que ele é uma ilusão.

A ciência defende que estamos desprovidos de poder de escolha e que qualquer decisão que tomamos é acompanhada por uma decisão anterior, sem termos a noção deste ato. A interação de moléculas cerebrais seria o motivo para tomarmos decisões, estando completamente fora do nosso alcance.

Os estudos científicos se debruçam sobre os pensamentos que estão por trás das decisões que temos na vida. É possível que a gente siga um caminho automático e movido pela emoção, sem pensar com profundidade sobre nada, lidando com o imediatismo padronizado. Mas também pode haver o caminho racional e de análise profunda, exigindo mais das nossas capacidades cognitivas para tomar todas as nossas decisões.

A maioria da humanidade vivem no automatismo e na mecanicidade porque é mais fácil e exige muito pouco para viver, querem muito com pouco esforço, e tomam a maioria das decisões pela emoção e sentimentos, por isso estão sempre errando porque não usam a razão e a logica, tomam decisões com seu livre arbítrio nessa mecanica da massa humana

Nesse caso, as possibilidades são mais abertas e passíveis a interpretações, cientificamente falando, é claro.

Nós realmente temos livre-arbítrio?

Essa é uma pergunta complexa com uma resposta tão complexa quanto, haja visto as diferentes linhas de pensamentos sobre o livre-arbítrio. É necessário que cada indivíduo possua uma certeza do entendimento do que o livre-arbítrio é e o que ele representa na própria vida.

Se o indivíduo seguir a ideia cristã, então existe sim o livre-arbítrio. Já aqueles que adotam o modo de pensar da filosofia e da ciência, o livre-arbítrio seria uma ideia vazia.

O fato é que aqueles que acreditam em livre-arbítrio possuem uma liberdade maior para tomar decisões como bem entender, seguindo seus instintos. Deve-se tomar cuidado para que as escolhas que fazemos dia após dia não sejam vistas meramente como acasos do destino, evitando dúvidas que atrapalham as nossas vidas.

Não somos máquinas. Temos pensamentos, sentimentos, vontades, escolhas e todo o resto que compõe a profundidade humana. Além disso, possuímos moral, ética e caráter que nos guiam na tomada de decisões, sendo elas de nossa inteira responsabilidade.

As escolhas que optamos por fazer são tão nossas quanto uma ideia é. Porém, nunca podemos deixar de lado a visão de que nossos atos têm consequências e que precisamos arcar com elas, independentemente do tamanho delas. Dito isto, o ideal é que a gente escolha o caminho do bem e nunca o caminho do mal.

Conclusão 

O que podemos constatar é que, cada vez mais, o livre-arbítrio se torna um tema de interesse de milhões de pessoas. Isso influencia não só o lado religioso de cada um, mas a vida e o modo como cada indivíduo escolhe para viver.

Concluímos também que o livre-arbítrio carrega consigo vários limites que precisam ser respeitados, afinal de contas, de nada adianta ser livre e fazer o mal.

E então, este conteúdo foi útil para você? Te convidamos a acessar o nosso blog e ler mais artigos com temas sobre religiosidade, significados da vida e afins para crescer espiritualmente.

Curtiu o conteúdo?

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no LinkedIn
Compartilhe no WhatsApp

Deixe o seu comentário!