Qual a diferença entre religião e religiosidade?

Religião ou religiosidade

A religião é um termo de origem latina que significa “religação” com o divino (Deus), quer dizer que estava uma vez ligado, desligou por um motivo e agora por outro motivo quer religar.

Existem muitas religiões espalhadas pelo mundo, onde cada indivíduo tem, por livre e espontânea vontade, direito de escolher qual deseja seguir, por exemplo, o cristianismo, islamismo, budismo, hinduísmo e outros.

Por que as pessoas buscam a religião?

O ser humano tem na sua essência um vazio que parece um buraco sem fim e que muitas vezes são preenchidas pela juventude, beleza, dinheiro, poder, inteligência etc.

Porém, busca esse preenchimento também na religião porque compreende que isso o transforma em uma pessoa melhor, e isso o aproxima do seu Deus. O sentimento de estar em débito com seu Deus, faz com que ele sinta a necessidade de se religar a Deus. Isso normalmente é aprendido da religião dos seus pais.

A pessoa pode ter tudo, dinheiro poder, uma boa família, muitos amigos, morar em uma mansão, mas ainda falta algo para completá-lo, e você talvez conheça pessoas assim.

Pessoas famosas, lindas, ricas, jovens que não aguentaram esse buraco e se suicidam, pois a vida não faz mais sentido. Muitos ficam espantadas com isso, como uma pessoa que para milhões é um exemplo a ser seguida, de repente tira a sua própria vida?

O ser humano em sua constituição é formado de 4 faculdades, uma delas é chamada de essencial, outros falam em alma, centelha divina, espiritual e outros.

E assim como ele alimenta o físico, mental e emocional, o essencial também precisa ser desenvolvido senão atrofia.

São elas:

Físico – precisa de boa alimentação, bom sono e exercícios;
Mental – desenvolver o intelecto, aprendizado, e ler bons livros;
Emocional – paz , amor, convívio com pessoas amadas;
Essencial – espiritual ou alma o nome que você queira dar para isso, precisa ser alimentado também, porque muitas vezes o vazio que a pessoa sente não pode ser preenchido por famílias, amigos, trabalhos etc.

Existe algo nas pessoas que precisa estar ligado a uma fonte inesgotável do que tudo procede, não é algo de fora ou um Gasparzinho que entra e sai do corpo da pessoa, é algo nela, que precisa ser atualizado de uma fonte qualitativa porque as quantitativas não o podem preencher.

Religião ou religiosidade?

Será que a religião com os seus dogmas é suficiente para a preencher esse vazio?

Para uma minoria não exigente pode até ser, mas para a maioria das pessoas que questionam a origem de tudo, da origem de Deus, dos anjos, do universo, da terra, dos animais e dos homens , não podem ser respondidas.

Uma pessoa que não se contenta com respostas prontas, fábulas, dogmas, mistério de Deus e etc, essas pessoas não se encaixam nas religiões.

Essas pessoas não vão simplesmente obedecer por causa de uma autoridade religiosa e muitas vezes são chamadas de hereges.

Jesus combatia a religião o tempo inteiro, chamavam os doutores da lei de Hipócritas, que gostavam dos primeiros lugares, gostavam de serem bajulados, que gostavam de serem chamados de Mestres.

Existem pessoas que já foram em várias religiões, elas buscam verdades e se consolam mesmo não sendo a Verdade que elas buscam, porque se acomodam, fazem amigos e acaba virando uma conveniência.

Desde o começo da humanidade, o homem busca acreditar que além dele, existe uma força suprema capaz de mudar, ajudar e até mesmo transformá-lo em um ser melhor e para a maioria da população mundial esse ser supremo se chama Deus.

O ser humano sempre buscou porque está em sua natureza potencial o desenvolvimento do ser por completo, nasceu para ser atualizado, em outras palavras, dobrarem os talentos.

O ser humano tem talentos, dons, inteligências e precisam que sejam desenvolvidos para eles e para a humanidade, mas não precisam de religiões.

Estamos vendo dezenas e centenas de nerds mudando o mundo com a tecnologia, coisas que há 30 anos atrás inimagináveis e teremos coisas ainda pela frente que nem sonhamos.

Que mudanças as religiões fizeram nas últimas décadas, uma vez que a religião tem milhares de anos na humanidade?

Não fizeram, porque a religião não te deixa pensar, raciocinar por si só, ela quer te dogmatizar.

A religião pode até melhorar as pessoas, mas não as transformam e há uma grande diferença em ser transformado e simplesmente melhorar.

Posso ir em uma religião e parar de beber e fumar e isso vai melhorar o meu relacionamento com as pessoas que me cercam, melhora a minha saude, mas não vai me transformar, e tomar outra forma é elevar o padrão de espiritualidade, e quando as pessoas olham para você e dizem: Quem te viu e quem te vê! Eu não acredito naquilo que você se tornou ou eu não te conheço mais…

Quando isso acontece, algo nele está sendo atualizado, ele não segue uma religião, ele pode ter tudo para fazer algo errado, mas a natureza dele em atualização diz não, isso não é você.. Ele não precisa de ninguém vigiando porque ele compreendeu o propósito da vida

Será que a religião não é uma fuga para as pessoas não olharem para si mesmo e transferir para algo fora dela mesmo?

Jesus é religioso?

Se é religioso por que foi morto pela ordem do Sumo Sacerdote dos religiosos da época?
Solta Jesus ou Barrabás? Solta Barrabás.

Ser religioso te acomoda ao que te parece verdade.

Ser religioso te deixa passivo e tira a sua sede pela busca da Verdade Infinita.

Ser religioso te deixa, segundo os seus olhos, acima daqueles que não são religiosos.

Ser religioso te impede de ir além do intelecto, porque você para de questionar.

Questionar é investigar, é ir além das palavras, é ter profundidade, é sempre buscar a coerência e a lógica.

A pessoa pode ser religiosa e profana ao mesmo tempo, e um ateu pode ser ético, honesto, e amoroso para com as pessoas, por isso estamos vendo religiosos que matam, estupram crianças e mulheres, mesmo sendo uma minoria não deixam de ser religiosos, e muitos são pessoas de alto escalão da Religião.

Mais Jesus, mais vida e menos religião.

Curtiu o conteúdo?

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no LinkedIn
Compartilhe no WhatsApp

Deixe o seu comentário!