O HOMEM POTENCIAL

Neste áudio, o professor Huberto Rohden, irá falar um pouco sobre o “Homem”, este desconhecido! Assunto este, também tratado em seu livro: “A Nova Humanidade”. Com explicação de pura lógica, discorda da teoria da evolução de Darwin, quando afirma que os animais possuem uma inteligência biológica, e que somente o Homem, uma inteligência analítica.
Discorda também, da “queda” do Homem, defendido pelas teologias. Afirma que, filosoficamente, é possível aceitar que: “Deus creou o Homem o menos possível, para que o Homem se pudesse fazer o mais possível!”. Esta potencialidade é exclusiva do Homem, também dotado de livre-arbítrio, que lhe proporciona duas possibilidades, entre bem e mal. E isto, o diferencia de todos os outros animais.
Afirma Rohden, que Deus, o Creador, na essência, está para além do bem e do mal. E que nós, as creaturas, na existência, estamos entre o bem e o mal. E por possuirmos uma natureza composta de duas partes (pólo positivo “EU” e pólo negativo “EGO”), que são complementares e não contrárias, temos a possibilidade da atualização deste “potencial” do Homem, de tornar-se o mais possível. Que depende exclusivamente do “bom” uso, que fizermos de nosso livre-arbítrio. E quando existe uma perfeita harmonia entre estes dois pólos, podemos chamar isto de “ser bom”! Que é a “integração” do EGO no EU. E não a eliminação de um, em favor do outro.
Para Rohden, Elias, Enoque e Moisés, do Antigo Testamento, viviam nesta harmonia, inclusive, não passaram pela morte física, tiveram seus corpos desmaterializados. Para a filosofia, “pecado” é a desarmonia entre o EU e o EGO. A harmonia é chamada de “perfeição”. E que somente, Jesus, o Cristo, possuía perfeita harmonia, a ponto de permitir que destruíssem o seu corpo físico e depois o reconstruir!
O professor Rohden, afirma que a humanidade ainda está no ABC do livre-arbítrio. Não tem poder sobre o seu EGO. É totalmente governada por este querido tirano. E que na falta de harmonia entre o EU e o EGO, é que surge a possibilidade de bem e de mal.
Finaliza, afirmando que é regra universal da natureza, ser bipolar (positivo e negativo) e que o ser humano não foge desta regra. Que a “síntese” entre o positivo (EU) e o negativo (EGO), chama-se “perfeição. Portanto, descobrir um modo de harmonizar os pólos de nossa natureza humana, garantiria o nosso destino futuro. Com o bom uso de nosso livre-arbítrio podemos realizar a grande tarefa da existência, ou seja, “atualizar” nossa potencialidade de “dobrar talentos”!

São Paulo, 10 de Março de 2011.

Claudio Campos

Curtiu o conteúdo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no LinkedIn
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp

Deixe o seu comentário!